Segunda-feira, 27 de Junho de 2011

Sobre as ondas

À frente, o oceano imenso. Imenso como este céu que desce até às dunas onde me encontro. A linha difusa do horizonte lembra pinceladas esbatidas em tela de azuis profundos; As ondas, rendas tecidas em fios imaculados, como véu de noiva estendido a meus pés.

Fico ali. Olhar preso nesta praia, nestas dunas, neste mar. 

Na cadência revolta das ondas, a cadência dos sonhos que voltam. Em asas de gaivota balouçando sobre as águas. 

 

O SONHO

Pelo sonho é que vamos,
Comovidos e mudos.
Chegamos? Não chegamos?
Haja ou não frutos,
Pelo Sonho é que vamos.

Basta a fé no que temos.
Basta a esperança naquilo
Que talvez não teremos.
Basta que a alma demos,
Com a mesma alegria, ao que é do dia-a-dia.

Chegamos? Não chegamos?

-Partimos. Vamos. Somos.

 

 

 

Sebastião da Gama, Pelo Sonho é que Vamos

 

 

 

 

 

 


Desabafos de alemvirtual às 19:00
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

Vazios

Sempre me questionei sobre o que é isto, afinal, do vazio. Não existe, obviamente. Nunca nada está vazio. E a propósito de nada, afinal, que é nada? Será a ausência de tudo? Mas, afinal, que é tudo? Tudo, também, nunca existe. E, depois, que é isto de nunca?

Pouco importa a definição de conceitos. Até porque variam consoante a abordagem que deles se fizer.

coisas que apenas se entendem com a linguagem muda do coração; do sentir de cada um; em cada momento;

Há pessoas que vivem em roda viva. Outras que têm vidas vazias. E há aquelas que, paradoxalmente, vivem entre um e outro extremo. E vivem. Entre o tudo aparente e o nada indefinido. 

Agora dever-me-ia questionar, que é isto de viver?


Desabafos de alemvirtual às 21:53
link do post | Deixe o seu comentário | favorito
Domingo, 19 de Junho de 2011

Minha terra, estas águas...

A Lua vai alta no céu. Enfrenta a frieza da noite, com a determinação de quem sabe ter de seguir em frente. Tem os olhos postos no espelho de prata que é o rio. Quase não sento o frio que se entranha nos ossos. São já muitos os Invernos rigorosos enfrentados. Tantos que lhe enrugaram a pele, apesar da pouca idade. Teceram sulcos, como os sulcos deixados na água pelos remos do seu barco. Não teme as sombras que se agigantam sob os ramos dos salgueiros. Nem sequer aqueles gemidos estranhos, como se almas penadas lamentassem sua sorte. São os sons do vento e da noite, entre galhos que se quebram e rastejos de animais. Não se amedronta. Não vacila. Avança. Não pode perder a maré de peixe que se avizinha. Palpita-lhe que esta noite fará um bom lance.

Na tarimba ao lado da sua, ficaram as crianças adormecidas.

 

Ajeita melhor o lenço. Com mãos hábeis, desamarra as cordas que prendem o barco. É o seu sustento e toda a sua riqueza. Desde que o marido morrera era apenas dela, e daquelas mãos calejadas, a luta com as águas do Tejo. Uma luta solitária que os filhos minimizavam.

O Tejo era a sua casa. A sua terra, as águas.

 

Não sabe como veio aqui parar, ao coração do Ribatejo. Fez parte de um grupo de pescadores sazonais em busca de "mares" menos traiçoeiros. As redes, as marés, as rotinas ao sabor da sorte que o peixe ditava, ou não. Aqui se tinha instalado com o marido. Este morrera depois de anos de outras rotinas que o levavam, directamente, das redes estendidas no areal para a Taberna do Ti Manel. Lá, o fado, o movimento mágico de copos passados de mão em mão e o relatos de histórias distantes, faziam-no esquecer a mulher e os filhos. Depois, manhã fora, sentava-se frente à palhota a remendar as redes. Um dia, adormeceu sobre elas. Abraçado-as. E não acordou para a ceia que a mulher preparara.


Do mar distante, conserva-se-lhes ainda na memória, o travo amargo das suas águas revoltas. As ondas impiedosas e iradas arremetiam contra o casco, em ímpetos de arrojo. Tinham-nos enfrentado, Depois, procurado refúgio nas águas mais calmas do Tejo. Por aqui foram ficando, até que não partiram mais.

Ela nunca tinha conhecido outro canto, outras águas. Aqui, este Ribatejo feito rio, tinha sido a sua casa; a sua terra, as águas.

 

Esta era mais uma noite. E até que clareasse a aurora, lançaria as redes rezando para que fossem bons lances.

 

Era uma mulher avieira. 

 

 

“ Incerto o pão na sua praia, só certa a morte no mar que os leva, eles partem. Da Vieira de Leiria vêm ao Ribatejo. Aqui labutam, alguns voltam ainda, ávidos de saudade do seu mar. Muitos ficam”

Alves Redol

Os Avieiros , Mem Martins, Europa América, sd, p.5

 

 

Ocorreu-me esta cena, esta e muitas outras, à medida que o 2º Congresso da Cultura Avieira (dias 17 e 18 de junho, no Instituto Politécnico de Santarém)

se desenrolava. Se se sabiam "avieiros"? Pouco importa. Sabem-no agora e sabemo-lo nós. Sabemos que esta cultura singular faz parte da nossa identidade. Há que preservá-la, para que não seja apenas uma onda que se formou e veio morrer breve na praia.

É um projecto que evoluiu de uma candidatura a património imaterial nacional, para uma candidatura a património da UNESCO.

Palhota, Escaroupim, Caneiras, Mouchão de S. Brás, Porto das Mulheres...Tejo acima, estabeleceu-se uma ligação entre os os avieiros e o rio. Descobri-la, é fascinante.

Recomenda-se...

 foto retirada de: aazinhaga.blogspot.com
 

 

Desabafos de alemvirtual às 21:27
link do post | Deixe o seu comentário | ver comentários (1) | favorito

Pedaços de mim


Sou...

Outras almas amigas

. 10 seguidores

pesquisar

 

Janeiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desabafos...

A minh´alma não é mais qu...

Zita

Silêncio da noite

Uma gaiola como tantas ou...

As minhas preocupações pa...

Missa em memória da Marga...

Memórias - Margot

Mais perto do céu

Mensagem para uma noiva

Quando a saudade bate

Outras páginas de vida...

Janeiro 2014

Março 2012

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

SAPO Blogs

subscrever feeds